Abrir empresa de tradução

From TradWiki 2.0
Jump to navigation Jump to search

Para trabalhar como tradutor profissional, você pode ser:

1) Tradutor interno em uma empresa - Normalmente contratado em regime de CLT.

2) Tradutor autônomo - Prestando serviços a clientes diretor ou indiretos por meio da emissão de [RPA], por exemplo.

3) Tradutor empresário - Trabalhando através de sua própria empresa.

Mas por que e quando os tradutores abrem empresa?

Muito mais do que uma escolha pessoal, essa é uma imposição do mercado. Os clientes empresariais costumam exigir nota fiscal aos seus fornecedores, tradutores e intérpretes incluídos. Se quiser atender a esses clientes, o tradutor não tem alternativa a não ser abrir uma empresa. Outra situação em que se tornar empresário pode ser uma opção é quando o tradutor tem muitos clientes e o volume de trabalho passa a ser excessivo para apenas uma pessoa. Se o tradutor tiver tino comercial e gerencial, também vale a pena considerar a abertura de empresa.

Para se decidir sobre a abertura de uma empresa, é interessante, antes de mais nada, mapear quais são e de onde vêm seus clientes. A principal necessidade Clientes do exterior não pedem NF, por exemplo. Fazem o pagamento mediante o envio de uma fatura (invoice) e transferência bancária ou Paypal e outros serviços do gênero.

A maior parte dos clientes que são pessoas jurídicas no Brasil necessita de Notas Fiscais (NFs) para justificar seus gastos. Elas alegam que contratar um serviço sem receber uma NF pode resultar em problemas trabalhistas e tributários para a empresa. Há algumas opções, como a compra de NF na prefeitura ou a emissão de um RPA. No entanto, ambas são opções mais caras e nem sempre aceitas por grandes empresas.

Se você tem clientes no Brasil que pedem NF e está cogitando abrir sua empresa, é importante saber algumas coisas:

Empresas de tradução estão na categoria de Sociedade Limitada no Lucro Presumido e pagam uma carga tributária que varia entre 14% e 16,6% (dependendo do faturamento).

Os impostos são:

ISS – Imposto Sobre Serviço O valor varia conforme a prefeitura em que sua empresa está sediada. É no máximo de 5%, mas em muitas cidades menores tem uma alíquota bem inferior. É um imposto mensal.

COFINS – Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social O valor é de 3% e é pago mensalmente.

PIS O valor é de 0,65% e pago mensalmente.

IRPJ Imposto de renda que incide sobre cada NF emitida, no valor de 2,4% ou 4,8% dependendo da sua faixa de faturamento. Esse valor é pago trimestralmente e refere-se unicamente a empresas de lucro presumido. Lucro real é outro sistema, mas não vale a pena a não ser que a sua empresa seja muito grande.

CSLL No valor de 2,88% pago trimestralmente.

INSS É na verdade uma contribuição, mas precisará ser pago mensalmente. É um percentual pago sobre o pró-labore do sócio (ou seja, você).

Além dos impostos que incidem sobre cada NF emitida, você também terá custos fixos mensais, sendo o mais significativo deles o contador. Além disso, o tradutor pode estar exposto a taxas esporádicas não calculadas como percentual do rendimento ou aluguel de sala ou endereço comercial caso o imóvel de residência do profissional não atenda aos requisitos para sediar uma empresa.

Parece muito caro, certo? Mas há vantagens financeiras também.

Como sócio de uma empresa, você tem a opção de retirar um pró-labore mensal no valor que desejar, embora o costumeiro é de que esse valor seja o de 1 salário mínimo, por conta da alta contribuição para o INSS que incide sobre ele (20% + 11%). A receita apurada além desse valor é considerada lucro, e o lucro não é tributado quando você declarar seus rendimentos de pessoa física. Ou seja, a partir de um determinado valor, é mais barato ter empresa, emitir NFs e pagar esse imposto do que pagar imposto como autônomo sobre absolutamente tudo o que você receber, já que as alíquotas de IRPF podem chegar a 27,5%.

Você pode fazer cálculos interessantes inserindo sua renda anual neste Simulador, para saber quanto pagaria como autônomo, seja em forma de carnê-leão (com o recolhimento ao longo do ano), seja no momento da declaração de IRPF, e comparar com a carga tributária da mesma situação como empresa, contando também com os gastos fixos já mencionados.

A decisão de abrir uma empresa, além de ganhos financeiros, também traz uma infinidade de possibilidades para a carreira, facilitando a prospecção de novos clientes e possibilitando a apresentação de seus serviços de uma maneira mais formal.